Pesquisar este blog

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Janot e advogado de Joesley Batista se encontram em bar de Brasília – Politica

Em nota, Janot confirmou o encontro com o advogado, mas disse que trataram apenas de "amenidades" e nenhum assunto de "natureza profissional": "Acerca da nota publicada pelo site O Antagonista, a Procuradoria-Geral da República esclarece que o procurador-geral da República frequenta o local rotineiramente. Não foi tratado qualquer assunto de natureza profissional, apenas amenidades que a boa educação e cordialidade prezam entre duas pessoas que se conhecem por atuarem na área jurídica.”

Fonte: Foto mostra Janot e advogado de Joesley Batista em bar de Brasília | Operação lava jato | G1

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Em depoimento à Moro, Marcelo Odebrecht diz que "aprovou com Palocci" compra de terreno para Instituto Lula

O ex-ministro Antônio Palocci presta depoimento hoje (6) à tarde na 13ª Vara Federal de Curitiba na condição de réu da ação penal da Lava Jato que envolve a compra de um terreno para construção do Instituto Lula e de um apartamento em São Bernardo do Campo. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também é réu deste processo.

Palocci está detido na carceragem da Polícia Federal (PF) de Curitiba. Ele foi condenado em outra ação penal da Lava Jato a 12 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Neste processo, o Ministério Público Federal (MPF) afirma que o Grupo Odebrecht comprou um terreno no valor de R$ 12,4 milhões para a construção do Instituto Lula — obra que não chegou a ser executada. Ainda segundo a denúncia, o ex-presidente também recebeu como vantagem indevida da empreiteira uma cobertura vizinha ao apartamento onde mora, em São Bernardo do Campo.

Além de Antônio Palocci, serão ouvidos hoje outros três réus deste processo: o dono da empresa DAG Construtora, Demerval de Souza Gusmão Filho; o primo do pecuarista José Carlos Bumlai, Glauco da Costa Marques; e o advogado Roberto Teixeira.
Palocci depõe hoje em processo da Lava Jato que envolve Lula e Odebrecht | Agência Brasil - Últimas notícias do Brasil e do mundo

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Irmãos Batista acrescentam mais pimenta no tempero da "Pizza" pós Janot

Os políticos denunciados desdenham da eficácia das investigações depois que Rodrigo Janot deixar a Procuradoria Geral da República, O Senador Romero Jucá chegou a dizer que é apenas uma despedida do PGR. Todos eles, inclusive o Presidente Michel Temer, tem certeza que Raquel Dodge vai cumprir o seu papel de estancar a sangria e dar a paga pela indicação ao cargo.



A Operação Lava Jato que quebrou empresas, perseguiu seletivamente alguns políticos de determinados partidos e é vendida para população como sendo a maior e mais eficiente investigação de corrupção do Mundo pode ser jogada no lixo a qualquer momento e aqueles que são os verdadeiros bandidos da história recente do país vão escapar ilesos. Os políticos brasileiros apostam na impunidade sempre, e levam vantagem em todas, tanto os irmãos Batista, quanto Sérgio Moro podem abrir bem os olhos, porque a corja política ainda vai dar um jeito de criminaliza los perante a opinião pública.



O empresário Joesley Batista está entregando novos áudios de conversas que teve com políticos para a Procuradoria Geral da República (PGR). 




(Foto: Divulgação)

O POVO Online (@opovoonline) • Fotos e vídeos do Instagram

terça-feira, 29 de agosto de 2017

A filha de EDUARDO CUNHA OSTENTA LUXO COM DINHEIRO QUE PAI ROUBOU DOS BRASILEIROS


A filha de EDUARDO CUNHA OSTENTA LUXO COM DINHEIRO QUE PAI ROUBOU

Advogado acusa amigo de “Sérgio Moro” de intervir em acordo de delação na Lava jato


O advogado “Rodrigo Tacla Duran”, que trabalhou para a “Odebrecht” de 2011 a 2016, acusa o advogado trabalhista “Carlos Zucolotto Junior”, amigo e padrinho de casamento do “juiz Sergio Moro”, de intermediar negociações paralelas dele com a força-tarefa da Operação Lava Jato.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

MPF, PF e Judiciário seguem fechando o cerco a corruptos e corruptores. Turma de Aécio e Temer se desesperam




Rodrigo Janot só vai deixar a Procuradoria Geral da República em meados de Setembro, até lá muitas denúncias serão apresentadas ao STF, mesmo saindo da PGR o objetivo de Janot é deixar todos os pontos amarrados para que a sua substituta não tenha como engavetar nada contra quem quer que seja.

Fernando Collor foi denunciado. Gedel Vieira Lima também.

Romero Jucá debochou da denuncia contra ele, mas não demonstrou a mesma confiança de antes e nem o sarcasmo habitual. Se tudo seguir andando como esta não veremos nenhum destes presos, já que o objetivo sempre foi o Lula, mas pelo menos vamos ver os corruptos deste país sendo constrangidos a todo instante.

A Globonews colocou o dedo na ferida.

"De tempos pra cá, muito graças à ação da Polícia Federal e de um raro juiz federal que teve coragem para peitar o sistema de forma contundente (arriscando sua carreira, sua família e até mesmo sua vida), temos visto na imprensa diariamente inúmeros casos de envolvimento de políticos, empresários, especuladores financeiros e até de magistrados, todos ligados entre si tendo por cola a corrupção e por veículo dessa corrupção um ciclo contínuo que já não tem mais nem começo nem fim, e por isso só podemos elencar algumas de suas partes.
Partindo do mais óbvio, podemos iniciar o ciclo com o financiamento de campanhas por parte de empresas. As empresas financiam seus candidatos (muitos, de todos os lados, perfis e ideologias), tais candidatos ganham as eleições e começam a ter que pagar às empresas esses financiamentos. Este pagamento será feito de várias formas. Primeiramente com o seu trabalho, passando leis que beneficiem tais empresas e barrando leis que beneficiem a população e prejudiquem tais empresas. Além disso, tais candidatos, agora eleitos, serão os advogados das empresas na Administração Pública. Lutarão por seus interesses em cada órgão. Além do pagamento em forma de serviços, haverá, claro, o pagamento em espécie. Os candidatos, agora eleitos pelas empresas, cuidarão de direcionar contratos públicos para estas empresas, por meio de direcionamentos de licitação e na maioria das vezes por meio de dispensa de licitação mesmo, na maior cara de pau.
Mas só direcionar ilegalmente contratos não vai pagar as despesas que as empresas realizaram com as eleições. Por isso, esses candidatos eleitos agora irão ter que SUPERFATURAR os contratos, para que sobre, além dos custos do contrato, e do lucro da empresa pelo cumprimento do contrato, dinheiro suficiente para devolver, com juros, o que a empresa gastou em sua campanha. Mas, se vai sair dinheiro ilegalmente pra empresa, e já se está sujo mesmo, então porque não tirar um pouco de dinheiro público pra próxima campanha? “E se já está sujo e mais um pouco, então tiremos dinheiro também pra melhorar nossas vidas”, pensam eles em um determinado ponto. E então sai dinheiro público pra pagar as empresas com juros pelo que emprestaram, pra custear parte da próxima campanha, e pra enriquecer os candidatos agora eleitos. Mas os empresários também querem ficar mais ricos, então sai também dinheiro por fora pro bolso deles. E tem um monte de gente que participa dessas operações, são chamado justamente de “operadores”. E, claro, sai dinheiro por fora pra comissão deles.
No fim, sobre pouco dinheiro pra obras públicas originais do contrato. Não tem problema, baixa-se a qualidade do material, piora-se toda a prestação de serviço. É até bom, porque em breve terá que se refazer, ou seja, nova oportunidade de tirar mais dinheiro público dos bolsos do contribuinte para os bolsos de políticos, empresários, agiotas, especuladores financeiros, operadores e outros tantos de corruptos que aos poucos vão fazendo parte do esquema.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

FORÇA TAREFA RECUSA O CONVITE DO PRESIDENTE Temer PRA IR AO JABURU


O PRESIDENTE Temer PLANEJOU PARAR A LAVA JATO QUANDO CONVIDOU-OS PRA IR SE ENCONTRAR COM ELE FORA AGENDA;
ESSE TEMER É Matreiro.

Operação da PF e Receita cumprem mandados contra lavagem de dinheiro e evasão de divisas – Politica




Aqueles meliantes que assistem aos telejornais devem estar se perguntando, "a PF não estava sem dinheiro?". Pois é de forma surpreendente, a Polícia Federal e a Receita Federal deflagaram operação contra lavagem de dinheiro e evasão de divisas. 

Denominada Operação Hammer-on, segundo a PF, os brasileiros que contrataram a organização criminosa para pagar os fornecedores paraguaios, bem como para ocultar dinheiro de origem criminosa, também foram alvos de investigação. 

O Hammer-on é uma técnica usada em instrumentos de corda para ligar duas notas musicais com uma mesma mão. Fazendo-se novamente referência à teoria musical, na operação Hammer-on, numa só toada, “com uma só mão”, ligaram-se duas “notas musicais” (intermediários e demandantes). 

Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, gestão temerária, operação irregular de instituição financeira e uso de documento falso. 

Cidades: 

Paraná – Foz do Iguaçu, Curitiba, Almirante Tamandaré, Piraquara, São José do Pinhais, Assis Chateaubriand e Renascença; 
Santa Catarina – Itapema, Balneário Camboriú e São Miguel do Oeste; 
Espírito Santo – Vitória, Serra e Vila Velha; 
São Paulo – Guarulhos e Franca; 
Minas Gerais – Uberlândia. 

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

sábado, 12 de agosto de 2017

Lúcio Funaro é transferido de volta para a Papuda; operador de Cunha negocia delação – Politica



Funaro diz, Cunha desdiz e seguem as negociações para que ambos façam delação, sendo que no final das contas apenas um deles poderá ter a sua colaboração homologada.  Nada impede que o MPF aceite as duas delações, mas isso só será possível se Rodrigo Janot encaminhar a denúncia antes de deixar o cargo
 
O encontro de Raquel Dodge fora de horário e de agenda com Michel Temer recoloca a nova PGR como incógnita em relação ao prosseguimento das denúncias e delações que envolvam o presidente. Ou veremos Raquel Dodge no papel que exerceu Janot ou então teremos uma nova Engavetadora Geral da República. 

Arquivo do blog

Seguidores